Oie amores!

Esse será mais um post, da série de posts do livro "100 segredos das pessoas felizes", do David Niven. 

Serão textos onde falarei sobre algum capítulo do livro que achei interessante, e que acredito que também possa agregar na vida de vocês, fazendo um breve resumo do capítulo em questão.

O texto de hoje fala sobre tratar seu trabalho como uma vocação. Quando encaramos nosso emprego apenas como um trabalho, a tendência é que este se torne uma carga, um peso para nós, não trazendo nenhum crescimento ou realização profissional. Mas, vendo-o como uma vocação, este vai se transformar numa expressão sua, numa importante parte da sua vida.

Vocação é uma tendência, uma inclinação da pessoa, que leva em conta suas aptidões e seus interesses, que levam a pessoa a exercer uma determinada profissão. Claro que nem sempre aquilo para o qual temos uma vocação será nossa profissão. Porém, mesmo nesses casos, nós podemos utilizar de elementos da nossa vocação em nossos empregos, a fim de torná-los um instrumento para nosso crescimento e desenvolvimento.



Uma pesquisa realizada com mulheres, a respeito de seus empregos, foi identificado que, mesmo entre aquelas que tinham o mesmo emprego, haviam aquelas que viam seus trabalhos como uma carga pesada, algo que trazia aborrecimento, e também aquelas que viam seus empregos como uma experiência positiva que lhes trazia realização e autonomia. E, entre aquelas que viam seus trabalhos como uma vocação, a felicidade era em torno de 28% mais alta que as demais.

Espero de verdade que esse texto tenha te ajudado de alguma forma. E que possamos exercer nossos trabalhos de forma a serem também um instrumento para nossa felicidade e nosso crescimento como pessoas.

Caso conheça alguém que precise ler essas palavras, compartilhe com ele!


Beijinhos!

"Desci dos céus, não para fazer a minha vontade, mas para fazer a vontade Daquele que me enviou." Jo 6:38


Oiie meus amores!

Com tantos lançamentos maravilhosos previstos para 2019, eu fico ansiosa todo mês para saber quais serão os filmes que irão estrear no Brasil, e fico mais ansiosa ainda para conseguir ir ao cinema assistir.

E esse mês tem tanta coisa boa, que acho que alguém aqui vai gastar todo o salário em ingresso de cinema kkk.

Vamos conhecer então quais serão os lançamentos de filmes para o mês de Junho/2019.


X Men Fênix Negra


Gênero: Aventura, Ficção Científica
Lançamento: 06 de Junho
Sinopse: Ambientado em 1992, Charles Xavier (James McAvoy) está lidando com o fato dos mutantes serem considerados heróis nacionais. Com o orgulho a flor da pele, ele envia sua equipe para perigosas missões, mas a primeira tarefa dos X-men no espaço gera uma explosão solar, que acende uma força malévola e faminta por poder dentro de Jean Grey (Sophie Turner).










Juntos para Sempre


Gênero: Família
Lançamento: 06 de Junho
Sinopse: Depois de muitas vidas e aprendizados, Bailey vive tranquilamente com Hanna. Um dia, Gloria, uma aspirante a cantora, aparece sem avisar na vida dos dois com uma noticia surpreendente: Hanna tem uma neta, chamada Clarity. Com o tempo, o cãozinho percebe que a menina é negligenciada pela mãe e decide que seu objetivo nesta vida é cuidar dela e protegê-la incondicionalmente.
Trailer








Eu Acredito

Gênero: Drama
Lançamento: 06 de Junho
Sinopse: Brian (Rowan Smyth) é um menino de 9 anos de idade que tem um encontro sobrenatural com o poder de Deus. Porém seu pai, um apresentador de televisão ateu, não fica nem um pouco feliz com essa sua nova aventura. Tudo só fica mais complicado quando, com a ajuda de um pastor da igreja local e um veterano machucado, os milagres produzidos pela fé de Brian se transforma em notícia na cidade.








A Última Loucura de Claire Darling


Gênero: Drama, Comédia
Lançamento: 06 de Junho
Sinopse: É o primeiro dia de verão e o último de Claire Darling, ou é isso que ela pensa. Claire espalha todos os seus pertences no gramado, desde o pêndulo remanescente da história da França até a infinidade de lâmpadas Tiffany. Enquanto uma horda de curiosos e vizinhos retira essas antiguidades por alguns centavos, cada objeto ecoa a vida trágica e extravagante de Claire Darling.
Trailer









Obsessão

Gênero: Suspense
Lançamento: 13 de Junho
Sinopse: Frances (Chloë Grace Moretz) é uma jovem mulher cuja mãe acabou de falecer. Acabando de se mudar para Manhatan e cheia de problemas com o pai, ela forma uma amizade improvável com Greta (Isabelle Huppert), uma viúva bem mais velha que ela. Porém, conforme as duas se tornam melhores amigas, as atenções da viúva se mostram muito mais sinistras do que ela imaginava.








Toy Story 4

Gênero: Família, Animação, Aventura
Lançamento: 20 de Junho
Sinopse: Agora morando na casa da pequena Bonnie, Woody apresenta aos amigos o novo brinquedo construído por ela: Forky, baseado em um garfo de verdade. O novo posto de brinquedo não o agrada nem um pouco, o que faz com que Forky fuja de casa. Decidido a trazer de volta o atual brinquedo favorito de Bonnie, Woody parte em seu encalço e, no caminho, reencontra Bo Peep, que agora vive em um parque de diversões.








Casal Improvável

Gênero: Comédia
Lançamento: 20 de Junho
Sinopse: Solitário, sem emprego, autodestrutivo e fracassado, o jornalista Fred Flarsky (Seth Rogen) se esforça para tentar mudar os rumos de sua vida. Quando se reencontra com a sua antiga babá, Charlotte Field (Charlize Teron), que hoje se tornou uma das mulheres mais poderosas do mundo, um romance improvável surge entre eles, causando uma inesperada reação em cadeia.
Trailer









Turma da Mônica: Laços

Gênero: Aventura
Lançamento: 27 de Junho
Sinopse: Floquinho, o cachorro do Cebolinha (Kevin Vechiatto), desapareceu. O menino desenvolve então um plano infalível para resgatar o cãozinho, mas para isso vai precisar da ajuda de seus fiéis amigos Mônica (Giulia Benite), Magali (Laura Rauseo) e Cascão (Gabriel Moreira). Juntos, eles irão enfrentar grandes desafios e viver grandes aventuras para levar o cão de volta para casa.






Outros lançamentos de Junho/19:

  • Patrulha Canina: Super Filhotes
  • Corgi: Top Dog
  • Socorro! Virei Uma Garota
  • A História de um Sonho - Todas as Casas do Timão
  • Beatriz
  • Memórias da Dor
  • A Árvore dos Frutos Selvagens
  • Maya
  • Amazônia Groove
  • MIB 4
  • Fora de Série
  • Dor e Glória
  • A Lenda de Golem
  • Pyewacket - Entidade Maligna
  • O Clube dos Canibais
  • Eu Não Sou Uma Bruxa
  • Eu Sou Brasileiro
  • Espírito Jovem
  • Graças a Deus
  • Cyrano Mon Amour
  • O Professor Substituto
  • Santiago, Itália
  • Abaixo a Gravidade
  • Deslembro
  • Annabelle 3: De Volta para Casa
  • Pets - A Vida Secreta dos Bichos 2
  • Divino Amor
  • O Bar Luva Dourada
  • O Olho e a Faca
  • Os Mistérios de Henri Pick
  • A Mulher da Luz Própria


Confesso que estou doida pra assistir todos esses que destaquei, em especial o da Turma da Mônica, porque foram personagens que marcaram demais minha infância e adolescência, e me trazem muita nostalgia.

E você, quais filmes estão doidos para assistir no cinema? Me conta aí nos comentários.


Beijinhos


Oie amores!

É muito clichê, e todo mundo diz isso, mas nossa! Tô muito impressionada com o quanto o ano está passando rápido!! E já estamos finalizando mais um mês, e chegando na metade desse 2019 maluco!

Bom, nesse mês de Maio as editoras arrasaram muito e nos trouxeram vários lançamentos muito interessantes, que estou ansiosa por conseguir ler. Vamos conferir?

Uma Mulher na Escuridão - Charlie Donlea (Faro Editorial)
Ao limpar o escritório do seu pai, falecido há uma semana, a investigadora forense Rory encontra pistas e documentos ocultados da justiça que a fazem mergulhar num caso sem solução ocorrido 40 anos atrás. No verão de 1979, cinco mulheres de Chicago desapareceram. O predador, apelidado de Ladrão, não deixou nenhum corpo ou pista - até que a polícia recebeu um pacote enviado por uma mulher misteriosa chamada Angela Mitchell, cujas habilidades não-ortodoxas de investigação levaram à sua identidade. Mas antes que a polícia pudesse interrogá-la, Angela desapareceu. Agora, Rory descobre que o Ladrão está prestes a ser posto em liberdade condicional pelo assassinato de Angela: o único crime pelo qual foi possível prendê-lo. Sendo um ex-cliente do seu pai, Rory reluta em representar o assassino, que confirma afirmando não ser o assassino de Angela. Agora o acusado deseja que Rory faça o que seu pai prometeu: provar que Angela ainda está viva. Enquanto Rory começa a reconstruir os últimos dias de Angela, outro assassino emerge das sombras, replicando o mesmo modus operandi daqueles assassinatos. A cada descoberta, Rory se enreda mais no enigma de Angela Mitchell, e na mente atormentada do Ladrão. Traçar conexões entre passado e presente é a unica maneira de colocar um ponto final naquele pesadelo, mas até Rory pode não estar preparada para a verdade...

As Garotas Madalenas - V. S. Alexander (Editora Gutemberg)
Dublin, 1962. Dentro dos portões do convento das Irmãs da Sagrada Redenção opera uma das Lavanderias de Madalena da cidade. Outrora um lugar de refúgio, as lavanderias haviam evoluído para sombrios reformatórios de trabalhos forçados. É para lá que a jovem Teagan Tiernan, de 16 anos, é levada pela família, depois de ter sido transformada em personagem de uma intriga que também envolvia um jovem e belo padre. 
Convivendo com mulheres em "desgraça" - mães solteiras, prostitutas, menores infratoras - e garotas comuns, cujos únicos pecados se resumiam a serem bonitas ou independentes demais, Teagan faz amizade com Nora Craven, uma jovem rebelde que pensava que nada poderia ser pior do que sua miserável vida familiar. As duas jovens se tornam reféns da Madre Superiora e de suas punições cruéis - sempre em nome do amor. Entre fracassadas tentativas de fuga, Teagan e Nora vão descobrir como é árduo o mundo exterior, principalmente para jovens de reputação arruinada.

Sangue Frio - Robert Bryndza (Editora Gutemberg)
A detetive Erika Foster fica espantada quando uma mala contendo o corpo desmembrado de um homem aparece na margem do rio Tâmisa. Mas não é a primeira vez que ela vê um assassinato tão brutal. Duas semanas antes, o corpo de uma jovem havia sido encontrado em uma mala idêntica.
Quando Erika e sua equipe começam a trabalhar, logo percebem que estão seguindo o rastro de um serial killer. O número de corpos aumenta, e o caso fica ainda mais grave quando as filhas gêmeas do Comandante Marsh, colega de Erika, são sequestradas. Será que Erika conseguirá salvar a vida de duas crianças inocentes? O tempo dela está se esgotando, e ela está prestes a fazer uma descoberta perturbadora.

A Paciente Silenciosa - Alex Michaelides (Editora Record)
Alicia Berenson escreve um diário para colocar suas ideias em ordem. Ele é tanto uma válvula de escape quanto uma forma de provar ao seu adorado marido que está bem. Ela não consegue suportar conviver com a ideia de que está deixando Gabriel preocupado, de que está lhe causando algum mal. 
Alicia Berenson tinha 33 anos quando matou seu marido com cinco tiros. E nunca mais disse uma palavra. O psicoterapeuta forense Theo Faber está convencido de que é capaz de tratar Alicia, depois de tantos outros falharem. E, se ela falar, ele será capaz de ouvir a verdade?



E você, tem algum lançamento desse mês que te interessou? Me conta aí nos comentários.


Beijinhos!


Oie amores!

Esse será mais um post, da série de posts do livro "100 segredos das pessoas felizes", do David Niven. 

Serão textos onde falarei sobre algum capítulo do livro que achei interessante, e que acredito que também possa agregar na vida de vocês, fazendo um breve resumo do capítulo em questão.

O texto de hoje fala sobre compras! Sim, um livro motivacional que te incentiva a comprar, mas não do jeito que você está pensando.

Sabemos que o consumismo desenfreado é extremamente presente hoje em dia, atingindo todas as faixas etárias, muito devido ao fato de estarmos sempre expostos e recebendo propagandas e incentivos ao consumismo de todos os tipos a todo momento, por meio da televisão, redes sociais, até mesmo de livros.

Sabemos também que o acúmulo de coisas vem sendo estudado, sendo considerado um sintoma de que algo não está bem psicologicamente. Muitas pessoas costumam comprar e acumular muitas coisas como uma forma de preencher um vazio, ainda que inconscientemente, que sentem em suas vidas. Algumas pessoas começam esses atos consumistas inclusive depois que algo de ruim lhes aconteceu, ou como uma forma de superar um dia ruim.

Bom, sabendo de tudo isso, o livro ainda vai nos incentivar a comprar? Sim! Mas de maneira consciente! Não devemos acumular coisas de que não precisamos, abarrotando nossas vidas de pertences que não nos agregam em nada, mas devemos sim nos permitir comprar aquilo que realmente queremos ou que precisamos.



Com a ascendência do minimalismo, muito se fala sobre viver bem com menos, e essa é uma filosofia da qual eu gosto bastante, e concordo, pois é visível o bem que isso faz. Porém, muitas pessoas chegam ao extremo, se privando de exatamente tudo a fim de não consumir mais. Mas a dica que o livro traz é: permita-se comprar aquilo que é importante para você, aquilo que lhe dá prazer, pois esse é um gesto de generosidade e estima para com você mesmo.

Dar muita importância aos bens materiais é algo que pode sim diminuir nossa felicidade, mas adquirir determinados bens de que precisamos ou queremos, podem contribuir para nosso bem estar pessoal. Se você compra aquilo que é importante pra você, isso lhe causará uma satisfação que eliminará a necessidade de encher sua casa com a loja toda, e consumir desenfreadamente.

Espero de verdade que esse texto tenha te ajudado de alguma forma. E que possamos ser cada dia mais gentis conosco mesmo, sendo conscientes daquilo que consumimos de todas as maneiras, e não nos privando daquilo que realmente nos faça feliz.

Caso conheça alguém que precise ler essas palavras, compartilhe com ele!


Beijinhos!



"Desci dos céus, não para fazer a minha vontade, mas para fazer a vontade Daquele que me enviou." Jo 6:38


Oie amores!

O "Domingo Poético" consiste numa série de posts em que trarei poesias de diversos autores, buscando maior leveza para iniciar nossa semana. Serão textos para refletir, para nos inspirar, para nos divertir... espero que gostem! ♥


Tomara
(Vinícius de Moraes)

Tomara
Que você volte depressa
Que você não se despeça
Nunca mais do seu caminho
E chore, se arrependa
E pense muito
Que é melhor se sofrer junto
Que viver feliz sozinho

Tomara
Que a tristeza te convença
Que a saudade não compensa
E que a ausência não dá paz
E o verdadeiro amor de quem se ama
Tece a mesma antiga trama
Que não se desfaz

E a coisa mais divina
Que há no mundo
É viver cada segundo
Como nunca mais...



Beijinhos!

"Deus demonstra seu amor por nós: Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores." Rm 5:8


TítuloMenina Boa Menina Má
Autor: Ali Land
Editora: Record
Pág: 376 


O livro conta a história de Annie, uma menina de 15 anos que denunciou a sua mãe, uma serial killer e psicopata, que assassinava crianças em sua própria casa. Só por essa simples frase já dá pra ter uma dimensão de que essa vai ser uma história bem pesada.

Após a denúncia feita por Annie, a mãe dela é presa, e a menina é levada a um abrigo, onde um psicólogo, Mike, lhe oferece um lar temporário, enquanto ocorrem os trâmites para o julgamento da mãe dela, no qual Annie irá participar. Esta tem seu nome alterado para Milly, a fim de ser preservada nessa nova escola e vizinhança onde estará inserida, para que não a associem a psicopata da sua mãe.

Nessa nova casa onde Milly passa a morar, além do Mike, a família é composta pela esposa dele, Saskia e sua filha Phoebe. Saskia é uma mulher completamente alheia ao mundo ao seu redor, que muitas vezes parece estar chapada de remédios e que não consegue estar inteiramente presente para a família, especialmente para a filha. Phoebe é uma adolescente rebelde em casa, que desrespeita completamente sua mãe e que muitas vezes parece odiá-la, devido ao completo abandono afetivo que sofre por parte dela. Mas na escola Phoebe consegue ser muito pior, realizando bullyng com as pessoas que não se encaixam no que ela enquadra como "normal", ou com aqueles mais frágeis que ela.

O livro vai nos mostrando então a "adaptação" de Milly a essa nova realidade, com Mike lhe fazendo sessões de hipnose pra que ela consiga acessar os conteúdos relacionados aos assassinatos cometidos por sua mãe, para que possa falar melhor sobre isso quando ocorrer o julgamento. Ela também tem que lidar com Phoebe, que a atormenta em todos os sentidos, por achá-la "estranha", pelo fato do Mike passar muito tempo com ela, por ser uma menina muito frustrada com tudo e querer ser o centro das atenções. Phoebe não sabe a verdadeira identidade de Milly. Só quem tem essa informação são os "pais", Mike e Saskia, e a diretora da escola.

Além de ter que lidar com todas essas coisas, Milly fica o tempo todo ouvindo a voz de sua mãe em sua mente, julgando-a, dizendo o que deve ou não fazer, a atormentando em seus sonhos todas as noites. Devido a tudo que presenciou e também tudo o que sofreu, Milly tem traumas psicológicos profundos (além de alguns traumas físicos) e tenta lidar com isso sozinha, não contando ao psicólogo nem a ninguém quais são os seus reais e verdadeiros sentimentos, seus medos, e seus anseios.

O livro é narrado em primeira pessoa por Annie, o que nos deixa ainda mais sufocados, por estarmos na "pele" dessa menina que é tão traumatizada, tão machucada e que foi tão transformada devido as suas vivências.

O começo do livro foi bem angustiante pra mim. A narrativa ia nos revelando aos poucos quem era Milly (Annie), sua mãe, e o que ocorreu na casa dos horrores onde ela vivia. Acompanhar os pensamentos da Milly foi bem pesado, especialmente no início, porque não estava esperando por aquilo sendo exposto assim, tão cru na nossa frente.

O livro como um todo foi muito bem escrito, e nos deixa com aquela sensação de aperto no coração, de desespero por se colocar no lugar da menina, mas também no lugar dos outros personagens, como da Phoebe, que é muito negligenciada pela mãe, da Saskia, que vive em um mundo paralelo a realidade, não estando 100% presente em nenhum momento, do Mike, que tem que conseguir lidar com toda a bagagem de Milly, além de administrar a presença dela no meio de sua família que já é desajustada.

Porém, apesar de ter gostado muito da história, de como os personagens foram se desenvolvendo e se revelando para o leitor, eu achei que o final não foi tudo o que eu esperava. O julgamento da mãe de Annie é realizado praticamente no fim do livro, e era nesse momento que eu esperava que algumas coisas fossem melhor explicadas, eu esperava que, todas aquelas pinceladas sobre o que ocorria na casa, que a gente sabe através de Milly, fosse enfim costurado e explicado com mais detalhes nesse momento. Não detalhes de como a mulher assassinava as crianças, mas como elas chegaram até ela, como era realmente a participação de Annie nessa loucura toda, como foi que tudo chegou no ponto onde chegou. Além disso, a revelação final foi meio que esperada por mim, devido a toda a história de Annie.

Apesar disso, eu achei o livro muito bom. Apesar de ler bastante livros do gênero thriller, suspense, etc, esse me surpreendeu pelo terror psicológico que nos faz sentir, pelas dúvidas que nos causa, por nos despertar a curiosidade de querer saber o que vai acontecer a cada fim de capítulo.

Enfim, apesar de alguns pequenos detalhes, eu gostei demais dessa leitura, e recomendo muito o livro para quem gosta do gênero, porque ele com certeza vai mexer com o leitor.

E você, gosta de livros desse gênero? Já leu Menina Boa Menina Má ? Me conta aí nos comentários o que achou, e se partilha da mesma opinião que a minha.



Beijinhos!



"Na casa do meu Pai há muitos aposentos; se não fosse assim, eu lhes teria dito. Vou preparar-lher lugar." Jo 14:2


Oie amores!

O "Domingo Poético" consiste numa série de posts em que trarei poesias de diversos autores, buscando maior leveza para iniciar nossa semana. Serão textos para refletir, para nos inspirar, para nos divertir... espero que gostem! ♥



Amar
(Carlos Drummond de Andrade)

Que pode uma criatura senão,
entre criaturas, amar?
amar e esquecer, amar e malamar,
amar, desamar, amar?
sempre, e até de olhos vidrados, amar?

Que pode, pergunto, o ser amoroso,
sozinho, em rotação universal,
senão rodar também, e amar?
amar o que o mar traz à praia,
o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?

Amar solenemente as palmas do deserto,
o que é entrega ou adoração expectante,
e amar o inóspito, o cru,
um vaso sem flor, um chão de ferro,
e o peito inerte, e a rua vista em sonho, e
uma ave de rapina.

Este o nosso destino: amor sem conta,
distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão,
e na concha vazia do amor a procura medrosa,
paciente, de mais e mais amor.

Amar a nossa falta mesma de amor,
e na secura nossa amar a água implícita,
e o beijo tácito, e a sede infinita.



Beijinhos!



"Deus demonstra seu amor por nós: Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores." Rm 5:8


Título: Revés
Autor: Luciano Otaciano
Pág: 22
Tempo de Leitura: 1 dia

O conto fala sobre um assassinato que ocorre com o dono milionário de uma empresa, e mostra o desenrolar e as consequências disso nas vidas dos que o rodeiam. Desde o filho desse empresário milionário, até o empregado muito bem quisto, vemos como as relações podem ocorrer de forma tão simples na superfície, mas que, no fundo, é enredada por vários poréns, e envolta por muita cobiça, ganância e inveja.

Eu confesso que a muito tempo não lia um conto, então não me lembrava muito do que esperar desse tipo de narrativa.

Nos contos, por serem textos curtos, onde não é possível se demorar muito em explicações e nem desenvolver muito os personagens, creio que o autor deve se esforçar ainda mais para poder passar toda a sua mensagem em poucas palavras, e fazendo com que aquilo faça sentido para o leitor final, que este compreenda a narrativa e que a história toda fique amarrada. E creio que isso ocorreu nesse conto.

Eu gosto muito do gênero policial/suspense/thriller, e acredito que o autor tenha acertado no desenvolver da história, nos apresentando os personagens e nos levando, mesmo em tão curta narrativa, a questionamentos sobre quem seria o assassino, quem seriam os vilões e quem seriam os bonzinhos da história.

Como disse, fazia tempo que não lia contos, mas gostei bastante da experiência, que entrega os mesmos quesitos de um livro policial, mas em poucas páginas, e com qualidade.

Recomendo! Leiam e me contem!


Beijinhos!


"Na casa do meu Pai há muitos aposentos; se não fosse assim, eu lhes teria dito. Vou preparar-lher lugar." Jo 14:2





A série conta a história de Jen, uma sarcástica corretora de imóveis que acabou de se tornar viúva, após um trágico acidente de carro que matou seu marido. Ela vive com seu filho mais velho, que muda seu comportamento após a morte do pai, se tornando o típico adolescente rebelde, e o mais novo, que é um garoto sensível, que se interessa por artes, e que é muito muito fofinho, rs.

Jen convive com uma raiva constante dentro dela, especialmente pelo fato de que seu marido não apenas foi atropelado, como a pessoa que o matou não prestou socorro, e além disso, não foi preso e nem identificado até o momento. 


Sendo assim, ela decide começar a participar de um grupo de apoio a familiares enlutados, e lá ela conhece Judy, uma doce artista, que diz ter perdido seu noivo, porém descobrimos que na realidade suas grandes perdas mesmo foram os cinco abortos que ela havia sofrido no decorrer de sua vida. Elas acabam se tornando amigas, prestando apoio emocional uma a outra primeiro por telefone, depois se tornando cada vez mais próximas, tendo se transformado realmente em melhores amigas.

Em meio a essa amizade que se desenvolve, Judy descobre que Jen tenta encontrar a pessoa que atropelou seu marido por conta própria, já que aparentemente a polícia desistiu de encontrá-lo, por não ter pistas suficientes. Assim, ela usa de seus próprios meios para encontrar aquela pessoa que destruiu sua vida, acreditando que, quando o encontrar, poderá enfim ter paz.


Dead To Me está no catálogo da Netflix, sendo uma produção original da rede de streaming, e veio para o Brasil com o nome de "Disque Amiga para Matar". Fala a verdade se, com esse nome, você daria uma chance para a série? Eu sei que eu não, rs. Mas ainda bem que eu dei, porque é uma série extremamente envolvente e que vale a pena ser assistida.

Com o elenco composto por Christina Applegate, que interpreta Jen; Linda Cardellini, que interpreta Judy, e outros atores de peso, a série é uma daquelas que nos prende do início ao fim, pelo enredo, pela interpretação, pelo suspense que ela nos apresenta a respeito do acidente e de todas as consequências daquilo na vida das personagens principais.



A série é uma mistura de drama, com suspense, com comédia, sendo uma miscelânea de tudo isso, que dá muito certo! Alguns momentos nos mostram cenas de tristeza e que nos causam uma dor tão profunda, que pode fazer chorar os mais sentimentais, como eu, rs. Outras mostram cenas hilárias, com muito humor negro e sarcástico, que realmente quebram o clima pesado da história, e a deixam super super fácil de ver. Finalizei a série, que é composta por 10 episódios tão rapidinho, que nem acreditei quanto acabou.

A única coisa que foi um pouco decepcionante pra mim foi o final da temporada. Acredito que ainda serão lançadas mais temporadas, porque essa acabou sem ter finalizado a história, sabe? Acho que ainda tinha mais coisas para serem fechadas, e eu espero muito que saia uma segunda temporada em breve, porque, meu Deus, que série!



Mas e aí, você já assistiu essa série? Me conta aí nos comentários o que achou!



Beijinhos!


"Lembre de Deus em tudo o que fizer, e Ele lhe mostrará o caminho certo." Pv 3:6


Oie amores!

O "Domingo Poético" consiste numa série de posts em que trarei poesias de diversos autores, buscando maior leveza para iniciar nossa semana. Serão textos para refletir, para nos inspirar, para nos divertir... espero que gostem! ♥



Presságio
(Fernando Pessoa)

O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente...
Cala: parece esquecer...

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar, 
E se um olhar lhe bastasse
P'ra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar...





Beijinhos!



"Dediquem-se à oração, estejam alerta e sejam agradecidos." Cl 4:2


Oie amores!

Esse final de semana temos a comemoração da pessoa mais importante das nossas vidas, nossas mamães! ♥
Vamos nos esquecer do papo de que é "mais um dia que o capitalismo inventou para tirar nosso dinheiro", e vamos focar na comemoração desse dia com as nossas mães, avós, ou quem quer que seja que represente esse papel na sua vida, e celebrar esse dia com muito amor e carinho.

E aproveitando essa data festiva, hoje eu trouxe para vocês uma TAG que tem esse tema. É a "Mães Literárias", que eu vi no blog Meu Amor Pelos Livros. .


Mãe do coração: Uma mãe adotiva (Ella - O Maior Amor do Mundo)


Ler esse livro nos dá uma dimensão a respeito da premissa de que "mãe é quem cuida". Nesse caso, vemos o amor de duas mulheres, que são sim as duas mães das crianças, disputando pela guarda de seus filhos.



Mãe divertida: Uma mãe que nos fez dar muita risada. (Becky Bloom)

Quando eu penso em algum personagem que me faz dar risada, a primeira pessoa que me vem a mente é a Becky Bloom. Como mãe ou não, essa é uma personagem incrível demais.



Mãe heroína: Uma mãe que faria qualquer sacrifício pelos filhos. (Mãe de Anna - A Guardiã da Minha Irmã)

Quem já leu esse livro sabe que, além de todos os sacrifícios que Anna, a filha mais nova, tinha que fazer por conta da irmã mais velha que estava doente, havia por trás disso uma mãe leoa, que movia mundos e fundos para salvar a filha, e que acredito que estaria disposta a quase tudo para proteger seus filhos.



Mãe relapsa: uma mãe que não merecia ser mãe. (Mãe de Annie - Menina Boa Menina Má)

O que mais eu posso dizer, além de que a mãe de Annie era uma psicopata, que além de torturar psicologicamente sua filha, também abusava dela fisicamente e a obrigava a presenciar os assassinatos cometidos? O exemplo perfeito de uma mãe que não merecia mesmo ser mãe.



Mãe trabalhadora: Uma mãe muito dedicada à sua profissão. (Alice - Tempo de Partir)

Vemos nesse livro a dedicação e amor da mãe pelo seu trabalho. Num ponto que realmente nos deixa curiosos por conhecer mais sobre o que ela faz, ao mesmo tempo em que vemos o quanto ela tem que se dedicar a isso a fim de conseguir bons resultados. Alice ama tanto o que faz que nos faz amar também durante a leitura.



Pai que é mãe: Um pai que foi mãe também. (Michael - Quando Você Voltar)

É sobre um pai que era muito focado no trabalho, tanto que esquecia de dar a devida atenção à família, mas que se vê obrigado a assumir o seu papel de verdade como pai, e também como mãe de seus filhos, após uma tragédia com sua esposa.


Mãe exemplar: Uma mãe que está muito perto da perfeição. 

Confesso que não consigo achar uma resposta para essa, porque todas as mães que me lembro tem seus defeitos e questões, por isso, acho que não seria justo definir uma como exemplar.


E aí, gostaram da TAG? Quem responder, me avisa que eu quero ir ver as respostas também! :D





Beijinhos!



"Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como para o Senhor, e não para os homens." Cl 3:23


Oie amores!

Esse será mais um post, da série de posts do livro "100 segredos das pessoas felizes", do David Niven. 

Serão textos onde falarei sobre algum capítulo do livro que achei interessante, e que acredito que também possa agregar na vida de vocês, fazendo um breve resumo do capítulo em questão.

Hoje falaremos sobre um sentimento que costuma ter um poder paralisante sobre nós, a culpa. Quando algo que fazemos não sai como o esperado, quando falhamos em alguma coisa, quando dizemos algo que não deveríamos, muitas vezes começamos a nos torturar, listando mentalmente nossas falhas, e nos acusando através de nossos próprios sentimentos.

O que devemos ter em mente é que nem tudo está sob nosso controle, e que faz parte do nosso crescimento errar, para podermos crescer aprendendo com esses erros. Por isso, não devemos nos entregar ao sentimento de culpa, pois, remoendo incessantemente nossos erros, podemos perder até a oportunidade de repará-lo.



Uma pessoa feliz não é aquela que nunca erra, e não se mede o nível de felicidade pela quantidade de coisas ruins que acontecem a alguém. Mas uma coisa é certa: uma pessoa que tira conclusões negativas sobre ela mesma quando algo de ruim lhe acontece é certamente menos feliz do que uma pessoa que se trata com maior gentileza. Ou seja, o importante não é o tanto de coisas ruins que nos acontecem, e sim, a forma como encaramos isso.

Espero de verdade que esse texto tenha te ajudado de alguma forma.  E que possamos ser mais compreensivos conosco, nos tratando com mais delicadeza e carinho quando errarmos, e que também consigamos aprender com cada erro e falha, para crescermos e evoluirmos a cada dia mais.

Caso conheça alguém que precise ler essas palavras, compartilhe com ele!


Beijinhos!



"Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como para o Senhor, e não para os homens." Cl 3:23


Oie amores!

Eu sempre gostei muito de poesia! Desde que descobri autores como Fernando Pessoa, Cecília Meireles e tantos outros na escola, me encantei pelos seus trabalhos, e passava horas lendo e refletindo sobre cada escrito.

Por conta disso, pelo meu amor pelo gênero literário, e por trazer um post de calmaria para iniciar nossa semana, eu vou inaugurar nosso "Domingo Poético". Sempre com uma poesia para nos inspirar, ou para nos fazer refletir, ou para nos distrair... 

Espero que gostem! ♥


Motivo
(Cecília Meireles)


Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
— não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
— mais nada.




Beijinhos!



"Dediquem-se à oração, estejam alerta e sejam agradecidos." Cl 4:2